quinta-feira, 24 de março de 2011

ÁGUA VIVA




Associar obra literária à filosofia é, como dizem, "chover no molhado", pois toda literatura encerra em si mesma uma filosofia, isto é, na acepção mais vulgar do termo, uma ideologia, concepção de mundo e intencionalidade, próprias daquele escritor. Entretanto, no caso específico de Clarice Lispector, não é somente nesse sentido que se estabelece essa relação. Em "Água Viva", a genialidade da autora capta alguns pressupostos filosóficos e discorre sobre eles numa atmosfera intimista, em que o leitor é convidado a se aventurar nos limites da linguagem - um mergulho profundo no imenso oceano dos conceitos - ali onde se definem todas as coisas, busca-se, sobretudo, um encontro com a Essência. Em contrapartida a essas águas, que, tantas vezes turvas, embaçam nossa visão 'clarificada', neste livro há um longo respiro, suficiente para deslocar-se do desvendamento da palavra ao conhecimento do real. 

Um comentário:

  1. Quem conhece sabe que o texto de Clarice é também arte transcendente.

    ResponderExcluir